Blog

Tudo o que você precisa saber sobre restauração de dente e mais um pouco

O que é restauração dental?

Quando um dos seus dentes saudáveis é afetado pela cárie (atenção para a higiene bucal, hein) ou está quebrado por motivos diversos, o dentista precisará fazer uma restauração no dente. Esse trabalho consiste em trazer de volta a função normal do dente saudável.

Para que serve?

A restauração dental serve para restabelecer a estrutura do dente perdida pela ação da cárie, evitando que o quadro clínico se agrave e devolvendo a função da mastigação dos alimentos. Mas outros motivos podem acarretar a indicação de restauração, como dentes lascados ou quebrados, e até dentes desgastados em decorrência de bruxismo ou por hábito de abrir objetos com os dentes e até de roer as unhas.

Como fazer este procedimento clínico?

Primeiro, o seu Dentista irá anestesiar a região e começar o procedimento de remoção de toda a parte deteriorada pela cárie. Para essa ação, é usada uma broca acoplada a um motor de alta rotação ou raio laser. Depois de retirada toda a parte deteriorada, ele irá limpar a cavidade para a remoção de bactérias e seus resíduos presentes na área cariada. Depois, a cavidade é preenchida por um material específico para restauração (que contaremos mais na frente). Finalmente, após este procedimento, o dentista usa outra broca para dar acabamento e polir o dente.
Em casos mais graves, com mais tempo de atuação da cárie, esta pode atingir o nervo ou a polpa do dente sendo necessário fazer um canal para remover o nervo danificado.

De que forma é diagnosticada a necessidade de fazer uma restauração?

Na hora da avaliação com seu Dentista, ele irá usar um pequeno espelho para examinar todos os dentes. Qualquer detalhe fora do normal fará com que seu dentista faça uma tomada radiográfica completa da boca ou apenas parte dela. O tipo de tratamento que seu dentista irá escolher depende da extensão do dano causado pela cárie.
Algumas das técnicas de diagnóstico utilizadas para a indicação de restauração dental:

  • Observação
  • Corante para detecção de cárie
  • Radiografias (Raio X) 
  • Ferramentas de auxílio na detecção de cárie com fluorescência a laser

Como cuidar da restauração depois de feita?

É normal sentir uma leve sensibilidade nos dentes após o procedimento. Caso sinta dor após o desaparecimento da anestesia, ligue para o seu Dentista. A sensibilidade deve sumir em uma ou duas semanas, mas até lá, evite alimentos com muito açúcar, gelados ou muito quentes.
Desconforto ou choque é outro sintoma que pode aparecer, pois caso o paciente tenha uma antiga restauração com material diferente, ao encostar, ocorre o choque.
É imprescindível manter uma boa higiene bucal para a manutenção da restauração, evitando a “infiltração” (retorno da cárie), que se inicia em torno da restauração realizada.

Tipos de restauração

  • Restaurações em amálgama (prata): Esse material é considerado como uma das opções mais resistentes. Mas, por ter uma cor mais escura que os outros materiais, as restaurações não são utilizadas em áreas muito visíveis.
  • Restaurações em resinas compostas (restaurações plásticas): são muito utilizadas por terem uma cor que combina com a cor dos dentes, dando um aspecto mais natural. As resinas compostas não são o material ideal para grandes restaurações, pois podem quebrar ou desgastar com o tempo. Também podem manchar com pigmentos como o café, chá ou tabaco, e não duram tanto quanto outros tipos de restaurações – em geral de três a 10 anos. Sua durabilidade depende muito da condição de higiene bucal.
  • Restaurações temporárias: Como o próprio nome diz são restaurações provisórias e os materiais utilizados normalmente possuem uma cor esbranquiçada. Elas são utilizadas em casos de emergência ou em casos em que é necessário aguardar a recuperação do dente para depois realizar a restauração definitiva.
  • Restaurações em ionômero de vidro: São indicadas para dentes de leite ou em regiões dos dentes onde a força da mastigação é menor, pois não são muito resistentes. Se destacam por liberarem flúor, importante fator para prevenir recidiva de cárie.

Qual o melhor tipo de restauração?

Não existe um único tipo de material ideal para todos os pacientes. O Dentista irá analisar o caso e definir junto ao paciente qual a melhor opção, levando em conta o custo, alergias, extensão do reparo e o local da boca.

E afinal de contas… quanto custa esse procedimento?

O preço pode variar de acordo com o material, tamanho da restauração e local a ser aplicado. A restauração em resina é geralmente a opção mais cara, seguida da restauração em ionômero de vidro. Já em amálgama de prata, além de mais resistente, é relativamente mais barata.

Para evitar que este artigo fique muito extenso, futuramente falaremos sobre os demais assuntos que envolve o mundo das restaurações, como infiltração nas restaurações, desgaste, substituições e dicas para aumentar a vida útil das suas restaurações de dente.

Skip to content